Ministro da Saúde diz que vai incluir profissionais da Educação nos grupos prioritários de vacinação

Ministro da Saúde diz que vai incluir profissionais da Educação nos grupos prioritários de vacinação

Em defesa à inclusão desses profissionais nas regras de prioridade, a Undime iniciou as solicitações ao Ministério ainda em 2020

Em reunião com representantes da Frente Nacional de Prefeitos (FNP), nesta sexta-feira (19), o Ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, afirmou que pretende fazer uma adaptação ao Plano Nacional de Imunização (PNI) para incluir os profissionais da educação ao grupo de prioridade de vacinação, o mais rápido possível.

Em setembro de 2020, a Undime fez uma solicitação ao Ministro da Educação, Milton Ribeiro, para que fosse articulado junto ao Ministério da Saúde  a garantia de vacinação da comunidade escolar, como forma de proporcionar segurança aos pais, professores e alunos para ao retorno às aulas presenciais.

De acordo com o Censo Educacional de 2019, 38,7 milhões de estudantes frequentam as redes federal, estaduais e municipais de educação. Já a rede privada atende 9,1 milhões de alunos. São 2,7 milhões de docentes e quase 2 milhões de profissionais de apoio à atividade educacional. Esses dados indicam que a comunidade educacional é formada por 52,5 milhões de pessoas, que representa ¼ da população brasileira.

A Frente Nacional de Prefeitos também pleiteou a vacinação urgente e imediada dos profissionais da educação. Em ofício enviado ao Ministério da Saúde, no dia 12 de fevereiro, a entidade se posicionou afirmando que “a vacinação trará mais segurança às aulas presenciais, mesmo que em sistema híbrido. A medida se torna necessária pois há grandes riscos de contaminação pelo novo coronavírus. Segundo relatório do Sistema Público de Saúde do Reino Unido, divulgado em janeiro deste ano, as escolas foram responsáveis por três vezes mais possíveis surtos de covid-19 do que hospitais de outubro para cá.”

O presidente da Undime, Luiz Miguel Martins Garcia, Dirigente Municipal de Educação de sud Mennucci/ SP, explica que a solicitação partiu em função do desafio que a educação enfrenta, sobretudo para retornar às aulas presenciais. “O público a que nos referimos representa ¼ da população brasileira. Nas pequenas e médias cidades a escola movimenta cerca de 70% dos seus habitantes, assim é importante que na discussão para os critérios, essa população seja observada.”, explica Garcia.

Para Jonas Donizette, presidente da FNP, é importante manter a união nesse momento para que a campanha seja, de fato, efetiva. “Precisamos trabalhar juntos e de perto para resolvermos os problemas que forem aparecendo. Nosso posicionamento é pelo diálogo.” O presidente da entidade aproveitou para cobrar outra demanda acertada em 14 de janeiro, que é um cronograma mais detalhado imunização contra a covid-19, associando, mês a mês, a expectativa de entrega de vacinas nas cidades e quais grupos da população seriam imunizados a cada período. “Isso é muito importante porque são as prefeituras que fazem toda a logística, e não só a parte da saúde”, frisou.

Fonte: Undime (com informações da FNP)