Secretaria Municipal de Educação adota novo modelo de supervisão nas escolas

Com início em 5 de fevereiro, o ano letivo de 2018 traz à rede, entre outras novidades, um novo modelo de acompanhamento das 1537 escolas municipais. O objetivo da iniciativa é proporcionar uma melhoria no aprendizado dos 650 mil alunos das unidades e dar mais organização na rotina de trabalho dos educadores.

Com base na corresponsabilidade, o novo modelo está estruturado em duas equipes, uma pedagógica e outra administrativa. Haverá supervisores do Nível Central, das Coordenadorias Regionais de Educação e das escolas. Para cada dois supervisores pedagógicos, o projeto prevê um administrativo. Eles farão o acompanhamento do trabalho pedagógico realizado pelas escolas e vão avaliar as necessidades de infraestrutura e de recursos humanos. O programa será iniciado com 240 supervisores, 16 dos quais diretamente ligados ao Gabinete da Secretaria Municipal de Educação.

De acordo com Clara Costa, integrante da assessoria do Gabinete, o modelo de supervisão desenhado não objetiva exercer o controle das escolas, mas apoiar as direções.

O secretário César Benjamin avaliou a formação do time de supervisores como uma nova vitória da Secretaria Municipal de Educação, porque foi construído por adesão dos professores, assim como o time dos 2500 alfabetizadores que tem como missão zerar o analfabetismo funcional na rede. Ele lembrou que a SME passou a trabalhar com dois binômios: autonomia e responsabilidade; e apoio e supervisão.

16 Comments

Add a Comment
  1. KD a crise? Para isso tem dinheiro? O reajuste da inflação não foi pago aos professores, vários auxílios cortados ou reduzidos, 1/3 do planejamento nao é cumprido, pois faltam prifessores. Essa gestão não prioriza/ valoriza seus servidores. Que horror!

  2. Quero ver a equipe se deslocar para as escolas em zonas de confronto e fazer uma avaliação diferenciada de escolas que não possuem violência no entorno

  3. Nem gente especilaizado eh…se ainda fosse ma equipe verdadeiramente especializada.
    Isso foi criado para dar cargo para puxa sacos .
    Imagina o ser nunca dirigiu uma creche ; não fez gestão foi indicado a este cargo e vai orientar o que ? Senão entende nada .
    Mesma coisa a parte pedagógica alguns destes ai nem Pedagogia tem .
    Fala serio .Quer distribuir cargos fala mas não finge que e para resolver problemas que isso não resolve nada .
    Cadê q migração ? Cadê o reajuste ? IPTU aumentou 100 reais .Salario não aumentou nada .
    E como foi feita esta selecao sem concurso nem interno nem externo .
    Caras de pau .

  4. Acompanhamento para melhorar o aprendizado? Sinceramente não entendi. A falta de professores, a superlotação das turmas, falta de recursos … Não é preciso nenhuma equipe é sim a solução de problemas já existentes.

    1. Mais uma das “mirabolices” da SME.

  5. Qual critério para escolha desses supervisores, gostaria de fazer parte. Rsrs

  6. Pra isso tem verba? Quero ver esse serviço ser eficiente, efetivo e com resultado. Duvido muito que todas as unidades passarão por isso. Será que vão supervisionar a falta de infraestrutura, a falta de refeitórios e a falta de recursos e materiais?

  7. Mais uma medida para pressionar professores a aprovar alunos e assim camuflar os problemas da rede.

    Ano passado o secretário se vangloriou de reduzir o número de conceitos I, após obrigar professoras a responder relatórios de 15 páginas para cada aluno conceito I.
    Ou seja, não se age no fogo (salas superlotadas, professores desvalorizados sem dissídio coletivo e 1/3 extra classe, falta de psicólogos e assistentes sociais) mas sim na fumaça (pune-se o professor que com 20 alunos I, deveria preencher 300 páginas de relatórios).

    Ou seja, não se ataca o problema do aprendizado, mas sim dá mais trabalho ao professor para dissuadi-lo a dar conceito I.

    Para além disso, professores da minha escola foram pressionados por representantes da CRE a não dar conceito I.
    O aluno de 3º ano, que já deve ler frases simples, como por exemplo: A BOLA É AZUL, que só conseguia ler BOLA, foi impedido de ter conceito I, pois segundo as enviadas da CRE, se conseguiu ler bola NÃO É NULO. Esses alunos analfabetos funcionais, receberam conceito R.

    Agora, pelo que vejo, a SME está expandindo o grupo de pressão aos professores em prol de uma melhoria de fachada. Vergonha uma secretaria que se preocupa com a aparência e não com seus alunos.

  8. Aumento do aparato burocrático a partir de critérios não transparentes! Traduzindo! Criação de mais um problema! Uma rede c 42 mil professores e mais de 1500 escolas não precisa de supervisão!Não se supervisiona o caos!

  9. Infelizmente parece que continuaremos com cegos tentando guiar cegos.

  10. Esse povo tinha que ir pra dentro de sala de aula colocar a mão na massa…. agora chegar de salto alto e echarpe para apontar os erros é fácil.

  11. Nunca citam a segurança das U.E. e seus funcionários de apoio.

  12. Os tecnocratas são a perdição do mundo, intrincheirados nos seus gabinetes refrigerados, acham que têm a solução pra tudo e se esquecem que lidam com humanos,criticar e apontar é fácil,vem pra linha de frente e sente o drama!!!

  13. Ana Cristina Lima de Rezende Fernandes

    Fora Crivela………………………………

  14. Como faço para me cadastrar como agente e/ou monitor do programa?